Produtividade – o descanso.

Há pessoas que afirmam que se pudessem nunca descansavam. Se fosse possível até abdicariam de dormir para poder estar sempre a realizar coisas novas e passar de uma conquista para a outra. Não querendo discutir se isto é desejável, creio estarmos de acordo que não é possível.

Como a música sem pausas seria um barulho irritante também na nossa vida o descanso desempenha papeis fundamentais.

O descanso serve para integrar as experiências. Muitas vezes a nossa velocidade de acção não nos permite processar tudo aquilo que estamos a viver: as razões dos nossos comportamentos, as atitudes em relação a um ente querido, a forma como operacionalizamos os nossos planos.

Numa sociedade cada vez mais acelerada podemos ter dificuldade em encontrar tempo para o descanso que cada vez mais tem que ser procurado de forma intencional. Será que ficar deitado na cama antes de dormir é considerado descanso? Almoçar a trocar mensagens continuamente é descanso?

A presença de ecrãs na nossa vida é uma evidência. No entanto os investigadores afirmam que estão a ter um impacto enorme na forma como (não) descansamos. As luzes de ecrãs são estimulantes que nos dificultam, por exemplo, o sono. Por isso, muitas pessoas já estão a adoptar desligar o telemóvel duas horas antes de ir para a cama. Isto traz uma qualidade de sono radicalmente superior.

Quando fico a processar emails até há hora de dormir e por vezes ainda na cama, vou activar todas as áreas do meu cérebro que estão dedicadas a esse trabalho e o ficarei a processar sub-conscientemente todas essas tarefas. Resultado: acordar cansado e sem energia na manhã seguinte.

Para quem está a trabalhar em tele-trabalho é importante ter em atenção que limitar a área de trabalho e arrumá-la sempre no fim de cada dia de trabalho é uma óptima estratégia para eliminar os gatilhos mentais que fazem com que estejamos continuamente a pensar em trabalho. Olho para a secretária e penso: “tenho que enviar aquele relatório ao chefe.” “ainda não respondi com aquele preço”. Numa época em que o trabalho já não fica só no trabalho, precisamos de nos proteger desta sobre-estimulação. Sugiro até que pegue no seu portátil e telemóvel de trabalho e que os coloquem na mochila. Isto tem um efeito simbólico como prático. Simbólico porque delimita a linha de tempo onde acabou o trabalho e prático porque limita os estímulos que lhe activam o cérebro para as tarefas e que o põem numa jornada interminável de trabalho. Se não tiver escritório pode também cobrir com um pano ou um biombo a área de trabalho para não ter que estar em contacto, durante o período de descanso, com essa área da sua vida.

Consta-se que o Newton descobriu a famosa teoria da gravitação universal quando dormia e que grandes descobertas na humanidade foram feitas em períodos de ócio ou de descanso. Esta ideia que a melhor forma de chegar aos objectivos a que nos propomos é “trabalhar, trabalhar, trabalhar” não é a mais correcta.

Como curiosidade as ondas theta são produzidas pelo nosso cérebro e são características de fases do sono REM. Estas ondas estão associadas à criatividade e há até criativos que forçam esta zona charneira entre sono/vigília para estimularem a sua criatividade. Isto também acontece muito nos banhos de água quente quando deixamos fluir o nosso pensamento e acabamos por sintonizar ideias super interessantes.

Talvez as formas mais comuns de descansar contemporâneas não sejam realmente descanso. Ver televisão. Estar no computador. Fazer scroll num qualquer feed do telemóvel. São formas passivas que acabam, subrepticiamente, por nos deixarem ainda mais cansados.

Uma das forma de descansar melhor é fazendo o chamado descanso activo. Quando fazemos desporto, aparentemente ficamos mais cansados, mas acabamos por descansar melhor. Precisamos de libertar energia e com isso ficamos muito mais tranquilos e menos agitados. Cansar o corpo para descansar melhor. Não é o que acontece com as crianças que brincam ao ar livre o dia todo? Podemos dançar, jogar futebol, ténis ou andar de bicicleta. Escolha o que gosta mais e varie se gostar de variar, mas faça desporto pelo bem do seu descanso. Quando fazemos arte acontece o mesmo. Fazer arte é pôr para fora de nós algo que está a precisar de sair para o mundo. Enquanto tiver isso dentro de mim vou estar inquieto. Há algo de particularmente tranquilizador nisso de transformar a realidade de acordo com os meus desejos. Seja pintar, performance, desenho, música. Em qual forma de arte o seu organismo está a pedir para se expressar? O que é que tem para trazer de único ao mundo e que está a precisar mesmo de sair. Não há uma fórmula sobre o que resulta melhor, vai ter que descobrir mas asseguro-lhe que quando voltar a criar vai andar muito mais descansado.

Aceitar que um dia é só um dia e que amanhã será outro novo, que não precisa de fazer tudo de uma vez e que todos os dias são para aproveitar na sua totalidade, fazer planos e preparar tarefas mas não se preocupar com o futuro, confiar que tudo correrá como tiver que correr e comprometer-se com ser plenamente a pessoa que é, são outras dimensões que vão contribuir muito para o seu descanso.

Só uma curiosidade: há quanto tempo não faz uma sesta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *