A importância de ser

Quantas vezes quis pôr limites aos outros e não conseguiu?

Na sua vida poucas coisas são tão importantes como correr o risco de ser quem é. Isto implica um contacto muito profundo com o mais íntimo de si próprio. Nada mais exigente. É muito mais fácil representar uma personagem, criar uma capa, usar uma máscara.

Quando era criança, você estava bem em contacto com aquilo que queria e normalmente isto foi variando e portanto o seu comportamento foi variando também, de acordo com um princípio que é de alegria e realização. Não sei bem a partir de que ponto da nossa vida, deixou de confiar nesta criatividade natural e sucumbiu às avaliações e intenções dos outros. Acabou por construir uma imagem mais ou menos rígida de si mesmo. Adicionando a isto o facto de começar a querer resultados específicos, usou-se a si próprio como um meio para um fim. Corre o risco, então, de se perder no caminho onde vivia o momento presente. Isto porque era sempre mais importante ser outra coisa, sacrificar quem é, em prol de um objectivo futuro.

Quantas vezes lhe apeteceu ser mais duro com alguém e não foi?

Uma das respostas é uma tendência que se instala com o passar dos anos, de não abertura à experiência. Se você viver com base no cálculo, vai desejar que a sua vida seja apenas da forma como imagina que ela deve ser. Não deixa que as coisas aconteçam com espontaneidade. Apetece-lhe dizer umas verdades ao seu patrão mas não as diz porque sabe que isso pode ter consequências negativas para si. Anula-se no que quer expressar porque tem medo do caminho que terá que trilhar se disser aquilo que acredita que deve dizer. E o que é que acontece aqui? Perco a minha identidade. Em vez de expressar a minha unicidade como pessoa fico com tudo mal resolvido dentro de si e não acontece no mundo o que tinha que acontecer ( mudança da situação, tomada de consciência e aprendizagem da pessoa que estava a errar, aprendizagem minha pela resposta da pessoa, etc.) Como, muitas vezes, é imprevisível o resultado da expressão autêntica, não corre esse risco (que tantas alegrias pode trazer) e prefere ficar com o resultado da sua auto-anulação porque, mesmo indesejável, considera como um mal menor, algo que traz a segurança do previsível.

“Quem sou eu, afinal?”

Um dos resultados da perda de autenticidade é que aos poucos a identidade se vai perdendo também. De tanto não confiar naquilo que vem espontaneamente de dentro de si vai começando a deixar de saber quem é, de perder a comunicação consigo, de saber o que quer. Este é um caminho muito doloroso pois não há agência mais importante do que expressar o ser único e irrepetível que é. A vontade é um dos pilares fundamentais da identidade por isso proponho-lhe, para ser quem é, comece por se perguntar sempre que se lembrar “Eu estou a ser eu mesmo?” “Eu tenho coragem para ser quem sou?”

Produtividade – começar o dia de forma incrível! 2 – Agradecer e desejar.

Neste segundo momento da manhã, que pode demorar 20 minutos, ou o tempo que desejar, esteja em contacto com o mais profundo de si. Claro, só se aplica a pessoas que não sejam unicamente superficiais. Se é que há pessoas que são unicamente superficiais.

Iniciar a sua manhã agradecendo pelo que tem, pelo que é e por estar vivo, para além de libertar endorfinas, preenche-o de uma positividade que lhe permitirá envolver-se com o dia de forma muito mais produtiva. Quem agradece não perde tanto tempo com a queixar-se dos obstáculos e consegue também perceber mais rapidamente as vantagens das situações e o que é preciso fazer para as resolver. Há autores que dizem que podemos agradecer tudo, as coisas boas e as coisas más. Comece pelas boas. Se agradecer as coisas boas provavelmente vai perceber mais tarde que se não houvesse coisas más, você não iria ter oportunidade para demonstrar a fibra de que é feito. Sem adversidade não haveria crescimento. Pode agradecer à vida, ao universo ou a Deus, conforme a sua crença. Veja o que lhe faz mais sentido e agradeça. Como é que seria se só tivesse na sua vida amanhã as coisas pelas quais agradeceu hoje?

Depois do primeiro momento de agradecer, desejar é altamente importante. Se o primeiro liberta endorfinas, o segundo liberta dopamina, que é a hormona da acção. Visualizar aquilo que quer para a sua vida energiza-o de uma forma que nem consegue imaginar. Nesta fase deseje sem se preocupar com o qual o seu papel na concretização desse desejo. Deseje só. Veremos mais tarde como fazer para desejar e sonhar mas não se preocupe em perceber como vai acontecer. Deseje. Se for religioso, peça.

Que aconteceu na sua vida ao agradecer e desejar? O que está a mudar?

Produtividade – começar o dia de forma incrível! 3 – Aprender algo novo.

Depois de fazer exercício físico e tomar um banho de água fria (sorriso) pode decidir tomar um bom pequeno-almoço e, se quiser, ao mesmo tempo, aprender uma coisa nova que há imenso tempo gostaria de aprender. Pode ser aquele blog que lhe traz ideias novas e nas quais nunca tinha pensado antes, pode ser aprender uma língua nova no Duolingo, aprender inglês com um professor nativo no Cambly, finalmente começar as aguarelas com um dos cursos da Domestika ou na Skill Share ou aprender um curso gratuito de fotografia.

O importante é que vai a começar o seu dia a entrar em contacto com aquilo que deseja para a sua vida. Sonha com ser fotógrafo? Começar o dia a estudar um pouco de fotografia é um óptimo motivador para a sua transição. Gostaria de ir viajar pelo mundo? Então começar o dia a estudar uma língua nova é a melhor forma de estar em contacto com o seu sonho e fazer a sua parte para estar preparado quando as oportunidades aparecerem.

Aprenda a cuidar das suas plantas, veja a receita incrível com que quer surpreender os seus para o jantar, veja a letra daquela canção que tanto gosta e que quer passar o dia a cantar.

Aprenda, crie, entre em contacto com o ser único que é e contagie o seu dia com a energia de ter feito algo que o põe em contacto com a sua inspiração e o seu propósito.

Já começou? Como é que se sente? Que transformações tem trazido à sua vida?

Produtividade – começar o dia de forma incrível! 1 – mexer o corpo.

A melhor forma de começar o dia é fazendo coisas de que realmente gosta e que lhe fazem bem. Como toda a gente, no início do seu dia tem dificuldade em ganhar clareza e em ficar activo. E se houvesse uma forma de poder ir ganhando clareza e rentabilizar o nosso tempo?

Para se energizar para o dia que aí vem não há melhor que mexer o corpo. Não se preocupe se não está em forma e não faz exercício há muito tempo. Há imensos exercícios para iniciantes no youtube “Workout beginners”. É sempre bom introduzir um pouco de cardio mas para começar pode fazer simplesmente alguns alongamentos e exercícios simples que o ponham a suar um pouco. Há exercícios de 10 ou 15 minutos até 1 hora ou mais. O importante é não se sentir aborrecido com o exercício e sentir que foi um pouquinho mais além do que já estava. Sentir o coração bater e suar um pouquinho.

Arrume um cantinho da sua casa com um pouco mais de espaço e prepare-se para se mexer. Se já praticou algum desporto, divirta-se a fazer os exercícios que já fazia. Pode optar por um vídeo para o ajudar. O seu telemóvel chega perfeitamente para o efeito. Para começar não precisa de nenhum material. Pesquise no youtube “workout no equipment”. A ideia de que precisa de material específico para começar é só uma desculpa que o está a atrasar (“Tenho que comprar umas sapatilhas tal ou o equipamento tal”). Se por acaso o barulho é um problema (vizinhos, etc.), pesquise no youtube por “Workout no noise” ou “workout no jumping”. Há imensos vídeos com esta especificidade. Outra coisa interessante que muitos vídeos de exercício físico começam a apresentar é um contador de tempo que nos permite perceber em que fase do treino estamos para não nos cansarmos com a pergunta constante “quando é que isto vai acabar?”. A contagem decrescente destes vídeos dá-nos o conforto de perceber que estamos a avançar e que não tarda nada completamos a tarefa. Este sentimento de controlo é motivacionalmente muito importante.

Não se exija muito de si nas primeiras vezes nem queira ficar muito cansado para ter a sensação que realmente se esforçou. O importante é fazer exercício com regularidade. Deve ficar com vontade de acordar com vontade de fazer exercício e isto pode implicar não ser tão duro consigo mesmo. Isto deve acontecer-lhe todos os dias. Ou há algum dia que não queira sentir-se altamente energizado?

Como bónus, no fim do exercício físico, que tal um duche de água fria? Nunca vai conseguir? Se quiser vai!

Que condições é importante criar para fazer disto uma realidade para si?

  • Preparar a roupa no dia anterior. Assim é só levantar e andar em piloto automático sem grandes decisões a fazer.
  • Preparar o espaço em que vai exercitar-se.
  • Deitar cedo. (Fazer os cálculos para dormir o número de horas que o deixam energizado. Isto implica perceber as suas rotinas e as alterações necessárias)
  • Acordar cedo, a tempo para poder fazer estas rotinas a tempo dos seus compromissos.

Como todas as mudanças, esta vai implicar esforço da sua parte e muitas vezes vai ser preciso ultrapassar obstáculos, principalmente interiores. Eu acredito que vai conseguir.

Então? Está pronto para começar o dia de maneira super-energizante e levar essa energia para o dia todo? Como está a correr essa mudança?

Produtividade – a solução final.

Será que há uma solução final para a questão da produtividade? Eu creio que sim. Depois de passarmos por soluções mais pequenas, vamos chegar à solução que acaba por integra-las todas. Disposto a esta viagem?

Embora algumas pessoas possam não estar conscientes disso, de uma forma ou de outra, todos gostariam de ser mais produtivos. Se posso arrumar a casa em 2h em vez de 5h, porque não fazê-lo? Se posso fazer mais 10 telefonemas em vez de 5, no mesmo tempo, porque não fazê-lo. Ressalvando os casos em que a nossa excessiva dedicação ao trabalho nos pode trazer recuos em outras dimensões da nossa vida, como a saúde e as relações, a produtividade é algo de vantajoso para todos, quando usada de uma forma consciente. Mesmo assim a quase maioria das pessoas tem problemas com a sua produtividade.

Podemos enunciar várias causas para o problema da produtividade:

  • O sono – Como sabemos é da máxima importância dormir e dormir com qualidade. Isto é evidente para toda a gente, mesmo assim, muitas pessoas deitam-se tarde, consumem luz de ecrãs até adormecer, dormem em locais não destinados a um sono reparador pelo desconforto ou pela quantidade de estímulos que possui (desarrumação, barulhos, luzes), não tem um ritmo fixo de sono e não se deitam e levantam sempre à mesma hora. Há, é verdade, imensas coisas que podemos fazer para ter um sono reparador. Corrigir estes erros é um bom começo. Depois, conseguir gerar um ambiente o mais tranquilo possível para dormir, sem telemóveis, se possível ser luzes de aparelhos (comprar até um relógio despertador analógico), beber o menos possível antes de ir para a cama, não estar sobre o efeito de luz de ecrãs antes 1 ou 2h  de deitar. Há imensas coisas que se pode fazer para gararantir que o sono é reparador e poderemos explorar isso num próximo artigo.
  • A alimentação – Quanto a alimentação há pouco mais a dizer do que já foi dito. Comer de forma saudável. Porque é que é importante comer de forma saudável? Mais uma vez voltamos à questão dos ritmos, como acontece com o sono. Uma coisa é ter fome. Naturalmente podemos satisfazer esta necessidade. É simples, se estivermos a ingerir comida saudável. No entanto, se comermos comidas processadas que incluam estimulantes, como o glutamato monossódico, ou bebidas como o café ou certos chás e bebidas, isto vai transformar por completo a nossa tranquilidade. Depois do efeito de pico que este tipo de alimentos nos dão e após uma fase de manutenção do efeito estimulante, vamos passar a uma fase de abstinência que nos vai intranquilizar até à próxima ingestão. Esta intranquilidade é péssima para a produtividade. Desvia-nos a atenção da tarefa “Tenho que comer um bocado de chocolate, tenho que comer um bocado de chocolate” e obriga-nos até a parar para compensar a nossa falta da substância em falta no nosso organismo viciado. Por outro lado, se comermos comida saudável, sempre às mesmas horas, o nosso organismo já sabe o que vai acontecer e funciona dentro do ritmo. Rotinas são boas.
  • O exercício físico – Por enquanto é necessário lembrar que o nosso corpo não foi feito para estar parado o dia todo. É necessário fazer exercício físico. É uma possibilidade de expressão que não podemos deitar fora de maneira nenhuma: Como é que se sente quando faz exercício? Quanto à hora: varia de pessoa para pessoa mas faz mais sentido fazer exercício de manhã. O incrível é que ao gastar energia, se fica com muito mais energia pelo que, para a maioria das pessoas é melhor fazer de manhã. Acordar antes das 6h da manhã para correr ou fazer um cardio? Acha que consegue? Há uma imensa tribo a fazer isso no mundo. No fim da sua prática diária mexeu o seu corpo enquanto acordava, por isso deve ser a primeira coisa a fazer no dia, para ficar cheio de energia para o restante.  Se não está a fazer exercício físico regular todos os dias há muita energia acumulada em si que o vai impedir de estar focado no seu trabalho, já para não falar nos problemas físicos que aumentam a probabilidade de acontecer e que vão tirá-lo por mais tempo daquilo que gosta de fazer.

Chegar a uma vida com sono regulado, alimentação saudável e exercício físico regular é uma construção, dá trabalho. Então porque é que não consegue sequer começar em um deles?

Ter uma rotina que sustente isto tudo é importante. Muitas pessoas com resultados extraordinários tem uma rotina bem estruturada. A rotina permite-nos não perdermos demasiado tempo e energia com decisões que já podem estar padronizáveis e ajuda-nos a perceber que o tempo é limitado. Quando não definimos um limite de tempo para uma tarefa, tendemos a procrastinar.

A procrastinação é a principal inimiga da produtividade (deixaremos uma análise mais profunda para outros artigos). Dificilmente as pessoas que estão a conseguir pôr de pé os pilares da alimentação, sono e exercício físico, terão problemas de produtividade, mas pode acontecer. Então o que pode estar acontecer? Pode acontecer de eu ser perfeccionista e não me querer dedicar às tarefas porque não fico nunca satisfeito com o resultado, posso achar que não tenho competências para o que estou a fazer, posso não gostar da pessoa para quem estou a trabalhar, posso não perceber qual o propósito daquilo que estou a fazer e posso não perceber o sentido do meu trabalho e da minha vida.

Se bem que poderemos no futuro abordar outras questões como a gestão de interrupções, as pausas, as condições de vida e de trabalho,  as lideranças, a saúde (principalmente a mental), problemas pessoais, etc.,  vamos saltar já para o  ponto final. Qual é a solução final para o problema da produtividade? A solução tem vários nomes:

  • Liberdade. Podemos chamar-lhe liberdade. Se eu não me sentir livre não vou ser produtivo. Um escravo está sempre a ver como é que pode trabalhar menos e nós muitas vezes deixamo-nos escravizar. Dinheiro, estatuto, apreço dos outros, poder. Tudo coisas que queremos e pelas quais podemos correr o erro de ceder (um termo simpático) a nossa liberdade. Se não formos livres nunca seremos verdadeiramente produtivos. Podemos realizar muito trabalho com a pressão gerada mas nunca criaremos realmente o valor que temos dentro de nós para oferecer à humanidade. A pergunta que me posso colocar é “Sou realmente livre? Faço o que quero?”
  • Confiança. O meu caminho só eu o posso criar e a sua rota é um cálculo que envolve tantas variáveis que ninguém mais pode calcular. Talvez eu tenha sempre uma tendência para ser o ser único e irrepetível que existe no mundo e que vê e traz dimensões ao mundo que mais ninguém pode trazer. Sempre que estiver fora deste caminho não vou estar em fluxo, vou sofrer de resistências interiores e isso vai afectar a minha produtividade. A pergunta que me posso colocar é “Confio na convicção do que é o melhor para mim?”
  • Sentido. A falta de sentido afecta a produtividade de duas formas. Primeiro não estamos a encaixar bem todos os elementos e isso faz-nos perder tempo. Se não sabemos o que estamos a construir, temos dificuldade em saber como encaixar as peças . A segunda é porque nos obriga a parar. Porque é que eu estou a fazer isto, afinal? Se não sabemos para onde estamos a ir não sabemos o que temos que criar, que recursos reunir e a necessidade do esforço a depender. Que sentido é que isto faz? A pergunta seria “Que é que estou aqui a fazer?”
  • Serviço. Quando percebemos que estamos cá para pôr os nossos dons ao serviço dos outros, a nossa produtividade resolve-se. É uma falsa motivação se faço as coisas para satisfazer apenas as minhas necessidades. Elas não podem ser o centro. O movimento de criação, de construir para o outro, liberta-nos do enredo do egoísmo. A pergunta é “O que é que eu posso fazer pelos outros que mais ninguém pode fazer?”

Quando respondemos a estas questões da liberdade, confiança, sentido e serviço, quando as vivemos e dedicamos a nossa vida a resolvê-las, pelas escolhas que começamos a fazer, naturalmente a nossa vida se vai alinhar com a produtividade, vamos criar coisas incríveis nesse caminho. Até decidirmos trilhar este caminho de verdade vamos sempre depararmo-nos com a nossa falta de produtividade, que até acaba por ser uma boa coisa . Se não fosse assim, nunca chegaríamos a perceber tudo aquilo que somos capazes de fazer, a conhecer a pessoa fabulosa que somos.

 

 

Os exames nacionais e a ansiedade.

Está a chegar a altura mais importante do teu ano escolar, passaste 3 anos a batalhar e agora vai decidir-se se consegues ou não as notas que te vão permitir entrar no curso que tanto desejas.

Estudaste muito, entraste em explicações, mas há uma coisa que não consegues evitar: a carga emocional que os exames têm para ti. Esta carga emocional converte-se em ansiedade: pensas que não vais saber a matéria que sai  no exame; pensas que tens que fazer outras tarefas, como estar com amigos ou arrumar o teu quarto; arranjas desculpas para não estudar; não cumprir o plano de estudos; pensas em desistir no dia anterior porque ainda não sabes tudo, etc.

Como evitar a ansiedade, então?

  • Preparar o exame com antecedência.
  • Fazer um plano de estudo.
  • Não tomar medicação para a ansiedade sem prescrição médica.
  • Fazer os exames dos anos anteriores.
  • Ter tempo para fazer pausas, estar com os amigos e praticar exercício físico.
  • Ter expectativas realistas.

Por vezes não é evidente por estas dicas em prática e dizer adeus à ansiedade. Por isso, se não estiveres a conseguir controlar a ansiedade telefona-nos para o 252657054 ou escreve-nos para ajc@sementes.pt. Podemos fazer consulta presencial ou online, para começar. Temos tido muito bons resultados que podem ser a teu favor.

Esperamos o teu contacto. Até já!

A solução para a solidão.

Ficamos todos espantados quando vemos o caso de Akihiko Kondo que casou com uma boneca de realidade virtual. Um holograma, por assim dizer.

Esta é uma das manifestações mais cabais da solidão que vivemos nos nossos tempos nas sociedades mais industrializadas. As pessoas deixaram de ter pontes umas com as outras. Neste caso do Japão perto de 50% das pessoas nunca tiveram relacionamentos sérios e muitos revelam o namoro como incómodo. É realmente preocupante a solidão pela qual passam estas pessoas, fenómeno cada vez mais crescente na sociedades mais “ocidentais”.

Será que as pessoas já não se sabem relacionar?

Algo de comum a alguns dos meus clientes é acharem que não vão ser compreendidos na comunicação com o outro. Aqui me parece que a psicoterapia é um processo da maior importância. Por exemplo, na terapia centrada na pessoa, a compreensão do outro e a devolução dessa compreensão é chave no desenvolvimento do cliente. A pessoa sente-se compreendida pelo psicoterapeuta e isto aumenta a sua esperança de vir a ser compreendida pelos outros.

Os resultados são incríveis. A psicoterapia é o primeiro passo para se poder relacionar bem com os outros. O primeiro passo para voltar a pertencer à humanidade.

Coaching executivo em empresas

Nos tempos que correm, perguntem a um empresário qual é o maior activo da sua empresa e ele dirá necessariamente que são as pessoas. Efectivamente são elas que fazem a diferença. Por mais avanço que tiverem na psicologia se não tiverem as suas pessoas capazes de produzir resultados, nada feito.

E o que é isto de termos pessoas capazes? É certamente dotá-las das capacidades técnicas que permitam lidar de forma ganhadora com as suas tarefas. O que acontece é que nos nossos dias, de rápida disseminação da informação (artigos, vídeos, podcasts) é muito rápida e eficaz pelo que rapidamente toda a gente fica ao mesmo nível.

O que é que vai então neste momento diferenciar as pessoas. No meu entender são as competências suaves, as chamadas soft skills.

Esta semana recebi um cliente que me pediu ajuda porque embora se considere muito competente tecnicamente, neste momento, a evolução na sua carreira exige-lhe que se desenvolva na dimensão relacional. Dificilmente será um líder com resultados se não conseguir comunicar a sua vontade com clareza, dizia ele. Perdido entre o passado e o futuro, tem dificuldade em estar presente e isso ressente-se, principalmente nas novas tarefas.

Coaching e desenvolvimento pessoal são as melhores ferramentas que temos para ajudar um comercial, por exemplo, a automatizar as suas tarefas, poupando uma hora por dia ou então a conseguir voltar a um cliente que o trocou.

Muito mais do que ensinar o papel de um coach é criar as condições para que o potencial imenso das nossas pessoas se transforme em acção. Só nos falta isso aos portugueses: um pouquinho mais de acção. Potencial já temos nós de sobra.

Grupo de transformação pessoal (GTP Janeiro 2019)

Esta experiência vai mudar por completo a tua vida!

Pensa se tu fosses uma lagarta à espera de se transformar numa formosa borboleta? Ou um Robert Bruce Banner à espera de se transformar num Hulk. Talvez apenas esteja a precisar de um espaço,  condições para mudar e pessoas para ajudar. Talvez esteja a precisar de conhecer os seus sentimentos, as suas emoções, os seus pensamentos. Em suma: a si próprio.

O coaching e a psicoterapia têm o saber que precisa para isto acontecer e os resultados são espectaculares!

 

As mudanças dos participantes têm sido extraordinárias. Às vezes são pequenas mudanças, mudanças subtis como deixar de se importar com o que os outros pensam, mas que farão toda a diferença na tua vida.

Vai ser no sementes, na Junqueira (Vila do Conde) a começar em Janeiro.

Sabe mais. Deixa o teu contacto: https://goo.gl/6KoFcP

Vê aqui alguns testemunhos:

Vamos conversar um pouco para perceber se esta é uma experiência para ti. Preenche este formulário para saberes mais:

Clica aqui :https://goo.gl/6KoFcP

 

Grupo de transformação pessoal (GTP)

 

Nos dias que correm, existem imensas pessoas que gostariam de poder vivenciar uma  experiência de mudança em grupo, num ambiente seguro e confidencial, com um espaço e pessoas com quem pôr em perspectiva a própria pessoa, a própria vida e escolher a partir daí, com confiança, aquilo que querem para si mesmas e para os que as rodeiam.

Se este é o seu caso, estamos a expandir esta metodologia GTP para alguns pontos do nosso país. Junqueira (Sementes) e Famalicão (Clínica Movement Saúde Integral) tiveram e estão a ter esta experiência e estamos agora a preparar tudo para que esta possa acontecer  em Braga e Maia e noutros pontos do nosso rectângulo cuja possibilidade ainda está a ser explorada.

Quanto aos objectivos desta experiência:

  • Viver  a liberdade de expressão e o desafio de entrar em comunicação
    com o(s) outro(s);
  • Conhecer a possibilidade de  afirmar-se como pessoa;
  • Poder dizer o que pensa sem medos, num ambiente aceitação e respeito.
  • Aprender a lidar com as diferenças dos outros (opiniões e valores);
  • Conhecer-se e olhar para si próprio de maneira diferente e mais potenciadora;
  • Aceitar-se a si próprio e começar um poderoso processo de transformação pessoal;
  • Usufruir de espaço e tempo de encontro consigo próprio, num contexto interativo de grupo.

As competências que se trabalham num GTP são as seguintes:

  • Comunicação verbal;
  • Competências de interacção;
  • Comunicação verbal;
  • Assertividade;
  • Poder de persuasão;
  • Falar em público;
  • Capacidades de liderança;
  • Atitude positiva;
  • Criatividade

Testemunhos 

Débora: ” Este grupo foi muito importante para conseguir finalmente sair de um emprego que me sugava a energia e arriscar fazer aquilo que sonhei.”

Pedro: ” Com o grupo consegui aceitar-me mais a mim próprio e depender menos de querer agradar aos outros.”

Mariana: ” Agora consigo ouvir melhor os outros como pretendia e tenho aprendido imenso com isso.”

Rogério: “Esta foi uma enorme oportunidade para saber que tinha aquele tempo para cuidar de mim.”

Se tiver alguma dúvida sobre este projecto pode escrever para António José Constantino – ajc@sementes.pt